SATC - Educação e Tecnologia

Criciúma | Energia

A sustentabilidade e o pragmatismo energético

O acordo de Copenhagen, estabelecido em 2009, identificou duas questões cruciais para a humanidade: primeiro, a necessidade de as nações atenderem aos desafios das mudanças climáticas; segundo, a necessidade de os países menos desenvolvidos reduzirem a miséria e a pobreza.

23/05/2012 17:20:40 - Atualizado em 23/05/2012 17:31:13
Fernando Luiz Zancan /Presidente da ABCM¹

Estudos mostram claramente que a redução da miséria está ligada ao maior consumo de energia elétrica e ao crescimento do IDH das nações. O desafio é enorme no mundo, segundo a Agência Internacional de Energia - IEA. Existem 2,56 bilhões de pessoas vivendo com menos de US$ 2 por dia, 1,3 bilhões sem acesso à energia, 2 bilhões com consumo limitado, e ainda 2,7 bilhões cozinhando seus alimentos com energias poluentes.

Antes de Copenhagen, momentum das mudanças climáticas, a ONU havia definido suas Metas do Milênio, visando reduzir a miséria mundial com apoio financeiro dos países desenvolvidos, pois a primeira meta da ONU de reduzir à metade a extrema pobreza, de 1990 a 2015, tinha sido atingida.

Praticamente sem o dinheiro prometido, a miséria diminui em todo o mundo, mas foi na China que isso ocorreu de forma significativa. A China reduziu de 84%, em 1981, para 13 %, em 2008, o número de pessoas que viviam com menos de 1,25 US$/dia, tirando, segundo o Banco Mundial, 662 milhões da pobreza.

A redução da miséria passou por um programa de universalização do acesso à energia elétrica através da implantação de infraestrutura básica. O consumo de energia elétrica, de 1985 a 2003, cresceu cerca de 1.500 TWh (80 % a carvão). Essa revolução foi movida a carvão.

Durante o período 1980-2008, o consumo anual de carvão cresceu de 626 milhões para 2,7 bilhões e, hoje, chega a 3,4 bilhões. Hoje, um chinês consome cerca de 2700 Kwh/per capita, um pouco mais que um brasileiro e metade que um cidadão num país desenvolvido, como a Espanha. Essa revolução gerou emprego e renda, e transformou a China numa potência mundial.

No ano da Rio +20, o mundo está diferente. O alarmismo climático começa a ser desmistificado por seus mais contundentes defensores. A recessão bate à porta dos países europeus. As palavras de ordem são desenvolvimento e emprego. Até o discurso ambiental muda, focando-se mais nos empregos verdes do que nas mudanças climáticas, visando surfar na onda da sustentabilidade.

Mas, pragmaticamente, a energia fóssil continua sendo aquela que suporta o desenvolvimento do planeta e que tira as pessoas da miséria. Na indústria do carvão, são 7 milhões de empregos no mundo, além dos empregos relacionados na indústria do cimento, aço, geração de energia e transporte - uma enorme cadeia produtiva de emprego e renda.

A tecnologia associada a essa indústria cada vez mais diminui o impacto ambiental a custos suportados pela sociedade. Não esqueçamos os mais deprimidos e sua sociedade, que deve poder pagar pela a energia consumida.

O combustível esquecido e estigmatizado é o que mais cresce no século XXI, passando a ser o combustível da sustentabilidade. Mesmo os mais aquinhoados e tidos como verdes continuam consumindo e fazendo usinas termelétricas a carvão, vide os 12.000 MW em construção na Alemanha.

Nesse verde e imenso Brasil em desenvolvimento, de invejável matriz de energia renovável, por conta de uma política energética focada em reduzir o CO², coloca-se a sua maior fonte energética fóssil no limbo.

Sob o estigma de caras e sujas, as térmicas, despachadas ao nosso comando, são a garantia de energia firme para o desenvolvimento sustentável do nosso país. Hoje, no momento em que estamos com falta de água no Sul, com hidroelétricas paralisadas e presos por um fio ao Sudeste, roga-se a Deus para que chova e que fique pronta uma nova linha de transmissão em 2013.

Estão fazendo falta os 700 MW a carvão que estariam em construção e gerando 3 mil empregos no município de Candiota/RS, numa região pobre, se, em 2009, sob o momentum de Copenhagen, não houvesse sido cancelado o leilão A-5.

Creio que uma boa dose de razão deve aflorar nas discussões sobre a matriz energética brasileira, e que venha a ser dado o peso equivalente às quatro dimensões: segurança energética, meio ambiente, modicidade tarifária e o desenvolvimento econômico e social.

Faço votos de que, no mundo da Rio + 20, os dignitários dos países que mais crescem do mundo, como a China e a Índia, tragam o exemplo de como usar seus recursos intelectuais e naturais para tornar seus países mais sustentáveis, com políticas não discriminatórias aos combustíveis fósseis, especialmente ao mais importante para suas sociedades, o carvão mineral.

¹Associação Brasileira do Carvão Mineral.

 




Artigo

Ouça ao vivo Sua melhor companhia
 

SATC - Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina
Criciúma - Santa Catarina - Brasil
Fone: 55 (48)3431.7500 - Fax: 55 (48)3431.7501 - Ouvidoria: 0800.648.7600
Copyright 2011 - SATC